A pandemia do Coronavírus deve trazer, além da crise médica e hospitalar, uma grave crise econômica. Estão sendo tomadas decisões que impactam fortemente a sociedade, como o isolamento social/quarentena e restrição das atividades comerciais. Estas decisões, tomadas por políticos e técnicos da área da saúde, levam a resultados difíceis de prever, com pontos positivos e negativos. Esse manifesto não quer entrar no mérito do tempo e do alcance dessas medidas, mas sim propor que utilizemos esse período para refletir sobre o futuro que nos espera.

PLANEJAR PARA EXECUTAR
O que podemos propor, e possuímos autoridade técnica para isso, é que aproveitemos esse período de pausa para, mais do que nunca, pensar no futuro, projetar agora para melhor construir depois. Assim, a partir do instante que essa turbulência passar, e vai passar, as obras terão condições de voltar imediatamente. Obras públicas e privadas, que geram emprego. As obras têm a capacidade de absorver qualquer mão-de-obra, desde que haja disposição física, de forma imediata, e isto será fundamental para retomada da economia.

OS PROJETOS DEVEM CONTINUAR
Para que as obras tenham condições de voltar assim que possível, e de forma mais eficiente, os projetos não podem parar. A etapa de projetos precisa continuar, ser adaptada, compatibilizada, planejada e aprovada antes do início/retomada das obras. Os projetos correspondem de 3% a 5% do valor da obra e podem ser executados na modalidade home-office. Os projetos prontos são essenciais para o início das obras a todo o vapor.

É impensável que enquanto País, governo, entidades e cidadãos tenhamos como obstáculo dessa retomada da economia a falta de projetos ou de aprovação. Todos no setor da construção podem e devem fazer sua parte para minimizar os efeitos negativos da quarentena na nossa economia, e nós da AsBEA estamos abertos para apoiar os profissionais neste sentido.

É tempo de refletir, de replanejar.

É tempo de projetar.

Contamos com o apoio de vocês!

Share This